Berlim Oriental hoje: no leste ficam os principais pontos turísticos

Dicas do que ver em Berlim Oriental: hoje principais pontos turísticos da capital da Alemanha estão ao leste de onde ficava o Muro. Entre eles estão a Torre de TV e a Ilha de Museus. Veja também fotos de restos da antiga barreira

Uma pergunta me intrigava: onde ficava aquela parte do Muro? Na minha primeira viagem a Berlim, em 1992, tirei fotos ao lado de um segmento da antiga barreira que dividia a cidade em Ocidental e Oriental. Em 2014, quando voltei à Alemanha em família, com Fernando e Joaquim, não encontrei o trecho fotografado 22 anos antes. Mas descobri que os principais pontos turísticos visitados na atual capital do país ficam do lado leste de Berlim.

Depois de muito pesquisar na internet, já de volta ao Brasil, finalmente descobri que estivemos bem próximos daquele trecho do Muro, pintado em preto e branco com uma contagem de mortos ao tentar atravessar a velha fronteira. Seguia lá, à beira do Rio Spree. Só que encoberto.

Na reconstrução de uma cidade unida, edifícios foram adicionados ao Reichstag, o prédio do parlamento alemão (Deutscher Bundestag), que ficava na parte ocidental, muito próximo da barreira que foi símbolo da Guerra Fria. Aquele segmento que vi em 1992 foi restaurado para virar o Mauermahnmal (Memorial do Muro). Na descrição do folheto oficial, ele foi instalado, mantendo seu percurso original, como um corpo estranho que corta a Marie-Elisabeth-Lüders Haus, inaugurada em 2003. Juntamente com 2 outros novos prédios, a construção faz parte do Band des Bundes, espécie de Alameda Federal, tida com um símbolo arquitetônico da Alemanha reunificada.

Ali ao lado, a Kronprinzenbrücke foi reerguida em 1996, com os indefectíveis traços do espanhol Santiago Calatrava. Destruída pelos bombardeios da Segunda Guerra e esquecida durante o período do Muro, a ponte foi uma das primeiras conexões retomadas entre as porções ocidental e oriental de Berlim.

LEIA OUTROS TEXTOS SOBRE BERLIM

Um estrangeiro menos atento mal percebe o leste (Ost, em alemão) e o oeste (West). Caminhando pela capital alemã, obviamente veem-se marcas da divisão da Alemanha, como nos riscos no chão da então partida Potsdamer Platz. Ali, no espaço antes ocupado pelo Muro, foi realizado no verão de 1990 o simbólico show The Wall – Live in Berlin, com Roger Waters, ex-líder da banda Pink Floyd. Ao longo dos séculos uma das principais praças da cidade, a Potsdamer voltou a esse patamar para a população de Berlim após a queda do Muro.

Potsdamer Platz Berlim Alemanha Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
POTSDAMER PLATZ EM 2014 – Fotos: Nathalia Molina @ComoViaja

Testemunhas daquele tempo estão em vários bairros berlinenses, como a DDR-Grenzwachturm, torre de vigilância da antiga Alemanha Oriental. Originalmente localizada entre o Portão de Brandemburgo e a Leipziger Platz, o modelo BT 6 foi instalado e é aberto à visitação na Erna-Berger-Strasse, rua perto da Leipziger, praça colada à Potsdamer.

Em setembro de 2015, foi inaugurado na Leipziger Platz o Spy Museum Berlin, para reviver experiências e métodos usados em Berlim, chamada de capital dos espiões. Com muita tecnologia (ao menos 200 telas em alta resolução), o museu usa recursos multimídia para transportar os visitantes à atmosfera da espionagem.

Pontos turísticos de Berlim no leste

Apenas para um roteiro histórico focado em Berlim Oriental já sobrariam opções para incluir na viagem. Mas, ainda que seu interesse não seja especificamente os traços remanescentes desse passado, é interessante saber que muitas das atrações clássicas que atualmente fazem a festa dos turistas na capital da Alemanha ficam na antiga porção oriental.

São vários os pontos turíticos incluídos na lista de indispensáveis, os ‘must-see’. Entre eles estão a Alexandreplatz (praça central da metrópole) e sua Torre de TV (Fernsehturm), a Ilha de Museus (Museumsinsel), a Catedral (Berliner Dom) e a Unter den Linden, alameda que conecta o Portão de Brandemburgo (Brandenburger Tor) à Schlossplatz, praça na Ilha de Museus. A gente mal se dá conta disso.

Difícil mesmo ver essa linha divisória na metrópole alemã quase um quarto de século depois. Desde que voltou a ser a capital do país em 1990, vem passando por uma extensa e constante reestruturação — as gruas são quase parte do cenário, um desafio para viajantes registrarem imagens sem elas. Completamente renovada, Berlim não é mais uma cidade dividida. Em teoria, já não era em 1992, mas na prática as diferenças visuais eram gritantes.

MURO EM 1992
MURO DE BERLIM EM 1992

Pela cidade ainda existiam várias placas de concreto, como aquelas diante das quais me postei, embora o Muro de Berlim já tivesse sido derrubado em diversos trechos, e esse era mesmo o desejo: retomar a vida que se tinha antes da divisão da Alemanha, reatar o que havia sido cortado. Erguido em 1961 pela Alemanha Oriental para isolar Berlim Ocidental, localizada dentro da área comunista, o Muro era a expressão máxima, o símbolo da Guerra Fria.

BERLIM ORIENTAL, NA ALEMANHA COMUNISTA
MAPA DA CIDADE NO TEMPO DA ALEMANHA ORIENTAL

Com o fim da Segunda Guerra, como aconteceu com o restante do território da Alemanha, Berlim foi dividida entre França, Grã-Bretanha e Estados Unidos (lado oeste) e União Soviética (parte leste). Na cidade em si, havia 4 zonas de ocupação; em relação aos outros 3 países, a União Soviética controlou a maior delas. Deu origem à República Democrática da Alemanha — em alemão, Deutsche Demokratische Republik (DDR). De regime comunista, existiu de 1949 a 1990 e tinha em Berlim Oriental sua capital.

BERLIM DIVIDIDA EM 4 ZONAS DE OCUPAÇÃO

Muro de Berlim, East Side Gallery e Checkpoint Charlie

Há diversos lugares em Berlim dedicados a contar a história da época em que existia a República Democrática da Alemanha,sob vários aspectos: como era o cotidiano na antiga Alemanha Oriental; os sistemas e os órgãos de vigilância e de espionagem; como era viver numa cidade dividida.

Berlim Crianca Alemanha East Side Gallery Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
AMAMOS BERLIM

Mais longo pedaço do Muro ainda de pé, a East Side Gallery é eternizada em imagens e selfies de turistas. A galeria a céu aberto impressiona com 101 pinturas em 1.316 metros de comprimento. The Wall Museum, museu do Muro, acaba de ser inaugurado ali em abril de 2016. Percorre do fim da Segunda Guerra e da consequente construção da barreira física até os acontecimentos dos meses anteriores à queda, em 9 de novembro de 1989.

'BEIJO FRATERNO' EM 2014
‘BEIJO FRATERNO’ EM 2014

Reserve seu hotel em Berlim pelo Booking*

A barreira entre as 2 Berlins se estendia por um total de 155 km. No Gedenkstätte Berliner Mauer ou Berlin Wall Memorial (Memorial do Muro de Berlim), dá para entender visualmente como a fronteira se estruturava, com 2 paredes e, entre elas, a ‘Faixa da Morte’, espaço onde desertores eram alvo dos soldados da Alemanha Oriental.

O memorial na Bernauer Strasse — rua onde as janelas dos prédios foram fechadas por tijolos durante a vigência do Muro — ocupa 1,4 km de comprimento, acompanhando a trajetória da antiga linha da divisa entre Berlim ao oeste e ao leste.

Checkpoint Charlie Berlim Artigos Sovieticos e Die Mauer Alemanha Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
EXPOSIÇÃO ‘DIE MAUER’, AO FUNDO

Para sentir o clima da cidade partida, uma experiência marcante é Die Mauer ou The Wall (O Muro), panorama criado por Yadegar Asisi. A ambientação na área principal da exposição é tão expressiva que, olhando do alto, pessoas de verdade diante da cena parecem fazer parte delas. Fernando e Joaquim se confundiram com as figuras da pintura realista, com 60 m de largura por 15 m de altura.

ONDE ELES ESTÃO?
ONDE ELES ESTÃO?

A exibição Die Mauer está instalada no emblemático Checkpoint Charlie, posto militar na fronteira. Além da foto clássica com o ‘soldado’ americano, da exposição ao ar livre de pedaços do Muro e do panorama realista do artista Asisi, a esquina das ruas Friedrichstrasse com Zimmerstrasse tem muito mais a oferecer. Na diagonal da Die Mauer, fica o Mauermuseum, museu do Muro fundado em 1962. No lado oposto da rua, imagens e informações na BlackBox Kalter Krieg, exposição numa caixa preta, abordam a Guerra Fria. Na outra diagonal do cruzamento, um McDonald’s está do ‘lado correto’, a porção antigamente americana.

Checkpoint Charlie Berlim Alemanha Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
CHECKPOINT CHARLIE E MUSEU DO MURO (ESQ.)

Na estação Friedrichstrasse, a Stiftung Haus der Geschichte der Bundesrepublik Deutschland, fundação sobre a história da Alemanha, reabriu desde 2011 o Tränenpalast (Palácio de Lágrimas), construção de arquitetura contemporânea, erguida em 1962 em Berlim Oriental. Era um dos pontos para se cruzar para o outro lado da cidade. A exposição GrenzErfahrungen. Alltag der deutschen Teilung (Experiências na Fronteira. Vida Cotidiana na Alemanha Dividida) mostra com objetos e depoimentos os efeitos dessa cisão na vida da Alemanha.

Berlim Gendarmenmarkt Alemanha Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
GENDARMENMARKT, UMA DAS MAIS BONITAS PRAÇAS DA ALEMANHA

A região não tem só atrativos ligados a Berlim dividida. Pertinho de Checkpoint Charlie, fica outro cartão-postal de Berlim que não tem a ver com a era comunista, mas que estava na porção controlada pela Alemanha Oriental: a bela Gendarmenmarkt. A praça de 1688 reúne 2 igrejas do século 18 e 1 sala de concerto do século seguinte, ao redor delas, vários cafés. Um lugar lindo, mais um motivo, entre tantos descritos até aqui, que me obriga a concordar com a observação de Gerd Wenzel, ex-colega de trabalho do Fernando e alemão de Prenzlauer Berg, distrito no leste de Berlim: “Os russos ficaram com a parte mais bonita da cidade.”

Viagem pela História

MURO DE BERLIM EM 1992
MURO DE BERLIM EM 1992

Foi a História que me conduziu à Alemanha em minha primeira vez no país (e na Europa) em 1992. A cidade ainda se estruturava após a reunificação da Alemanha, então não havia essa profusão de atrações. Não importava, eu queria ir até lá ver, sentir esse momento de perto. Adolescente da época da Guerra Fria, cresci ouvindo, lendo e vendo (no cinema) passagens sobre a Segunda Guerra, o Muro de Berlim, a Alemanha dividida. Para alguém que se interessava pelo assunto, natural que o país europeu no mínimo despertasse minha curiosidade.

BLOCOS DE CONCRETO NO CHECKPOINT CHARLIE EM 2014
BLOCOS DE CONCRETO NO CHECKPOINT CHARLIE EM 2014
'SOLDADO' NO CHECKPOINT CHARLIE, EM 2014
‘SOLDADO’ NO CHECKPOINT CHARLIE, EM 2014

Mas eu não me programei para ir ao país europeu quando desembarquei em Berlim. Nova York até então era o único destino internacional que eu realmente havia decidido conhecer — antes disso, apenas havia dado um giro com meus pais, aos 5 anos, pela Argentina, pelo Chile e por seus Lagos Andinos. Em 1991, eu tinha 20 anos quando resolvi morar em Nova York. Num desses acasos da vida, no ano seguinte recebi o convite da minha madrinha para visitá-la na Alemanha. Funcionária do Itamaraty minha tia poderia ter sido transferida para qualquer parte do mundo. E olha como as coisas acontecem na vida: ela foi para Berlim.

Lá estava eu dentro do avião para ver aquela cidade que havia apenas 3 anos tinha deixado de ser partida pelo Muro. Desembarquei e fui encontrar Maria Sylvia. Me lembro de que achei o aeroporto pequeno (em nada comparável à estrutura que vi na viagem em família de 2014, com Fernando e Joaquim). Fomos para a casa dela, um predinho bonito no lado ocidental. As floreiras nas janelas anunciavam que já estávamos na primavera. Era fim de abril, fazia um frio danado, mas a cidade já aguardava a estação pegar de verdade.

Berlim 1992 Viagem Alemanha Europa Center - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
EUROPA CENTER EM 1992

Almoçamos em família, com meu tio e meu primo. Me contaram sobre situações cotidianas, de divertidos tropeços no alemão a observações daquele momento, como a leva de poloneses que iam de carro a Berlim para fazer compras de supermercado (muito mais barato, segundo eles). Depois, caprichosa, minha tia me mostrou vários recortes que havia separado de lugares que queria me mostrar na cidade.

Mais do que parênteses, colchetes: [A internet estava bem no iniciozinho. Portanto, não havia site ou blog para consultar. É preciso lembrar isso porque o mundo mudou tanto em 30 anos que a gente até se esquece que um dia o computador tinha aquela tela preta com escritos em verde. E só. A programação era feita em linguagens como Basic, Pascal e Lotus 1 2 3. Para mim, uma chatice tamanha, provavelmente uma das razões que me fez largar a Faculdade de Informática na Uerj em 1990 — sempre brinco dizendo que a culpa é do Bill Gates, que devia ter inventado o Windows antes; da criação em 1985 à popularidade lá pelo início dos anos 90, levou um tempão para as janelinhas coloridas chegarem aos computadores dos brasileiros.]

Trabi e Ampelmännchen

Assim como não havia informação de viagem online, tampouco eram conhecidos (e até cultuados) pelos turistas Trabi ou Ampelmännchen, 2 figuras que saíram do trânsito da Alemanha Oriental para o mundo do souvenir com força total.

Em 1997, surgiu a Ampelmann, marca com 6 lojas próprias e 1 restaurante em Berlim que vendem produtos estampados com os bonequinhos verde (‘ande’) e vermelho (‘pare’). Os homenzinhos do sinal, os ampelmännchen, são quase sinônimo de passaporte carimbado na Alemanha.

Berlim Souvenir Bonequinhos Transito Alemanha Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
O mesmo acontece com o Trabi. Há 25 anos, em 1991, foi produzido o último Trabant, carrinho-símbolo da Alemanha Oriental. Atualmente em Berlim, dá para ver e até dirigir um, em tour real pelas ruas, ou virtual no veículo na entrada do DDR Museum. Ou trazer um Trabi de lembrança, como nós fizemos. Uma simpática maneira de guardar os momentos e a aula de História que tivemos dentro do DDR Museum. Sobre o cotidiano e a história da Alemanha Oriental, o museu está entre nossos programas favoritos na viagem em família de 2014.

Trabi Berlim DDR Museum Alemanha Carro Museu Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja

Berlim Trabi DDR Museum Alemanha Carro Museu Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja
AO VOLANTE DO TRABI, NO DDR MUSEUM

LEIA OUTROS TEXTOS SOBRE BERLIM

Diversos museus na capital alemã contam vários pontos desse período de Berlim dividida. Não apenas os 2 sobre o Muro, o DDR e o Spy, há ainda o Stasi Museum, no velho quartel-general da polícia do regime comunista alemão. O conjunto de 50 edifícios fica no distrito de Lichtenberg, assim como a Frankfurter Allee, alameda com a típica arquitetura da era comunista. Também formavam Berlim Oriental, entre outros distritos, Pankow (com seu agora descolado bairro de Prenzaluer Berg) e Treptow, onde foi erguido o maior memorial soviético, com 100.000 m² e cemitério para 5.000 soldados.

Berlim Oriental Rua Leipziger Strasse Alemanha Viagem - Foto Nathalia Molina @ComoViaja

O central (e gigante) Mitte é outro distrito que ficou no lado controlado pela União Soviética. Em 1992, o bairro não tinha a importância turística que tem hoje. Atualmente é ‘O’ bairro para se visitar e até se hospedar. Na nossa viagem a Berlim em 2014, ficamos em 2 hotéis em diferentes pedaços de Mitte — Um deles ficava na Leipziger Strasse. — e recomendamos a localização.

Kurfürstendamm, KaDeWe e a igreja bombardeada

ALEXANDERPLATZ EM 1992
ALEXANDERPLATZ EM 1992

Naquela viagem em 1992, até estive do lado oriental. De dia, na Alexanderplatz, ainda hoje umas das principais praças da capital alemã; de noite, em festas underground. No restante do roteiro, o lado ocidental.

Fomos a todas as atrações que minha madrinha destacou, todas mais do que indicadas para uma visita atualmente também. Entre elas, o Charlottenburg Schloss, palácio barroco dos tempos da Prússia; o zoológico de 1844 (saiba como é e o que fazer no mais antigo zoológico da Alemanha, instituição que mantém 16.000 animais de cerca de 1.500 espécies); e os bonitos canteiros e estufas do jardim botânico, com cerca de 20.000 tipos de plantas. Tudo absolutamente lindo, e do lado da velha Alemanha Ocidental.

ZOOLÓGICO EM 1992
ZOOLÓGICO EM 1992

Ainda nessa parte de Berlim, gostei de conhecer a grande e tradicional KaDeWe. O nome completo é Kaufhaus des Westens (numa tradução livre, loja de departamento do oeste), mas ninguém chama assim o estabelecimento de 60.000 m², em funcionamento desde 1907. Mas adorei mesmo foi caminhar sozinha pela agitada Kurfürstendamm, principal avenida da cidade no lado oeste. Andar sem rumo e dar de cara com a Kaiser-Wilhelm-Gedächtnis-Kirche, igreja destruída na Segunda Guerra, cuja torre destroçada foi mantida para abrigar um memorial. Agorinha, ao escrever, me vem viva a imagem daquela tarde.

 

A igreja ‘quebrada’ de pano de fundo com sua escadaria em primeiro plano. Pelos degraus, em pé e sentados, jovens conversavam num visual punk, com roupas pretas e cabelos coloridos (estamos falando de 24 anos atrás, quando não havia tinta em cores rolando solta nos cabeleireiros, nem muita gente disposta a experimentá-la).

KURFURSTADANN E IGREJA EM 1992
EM 1992, KURFÜRSTEDAMM E IGREJA BOMBARDEADA

Aquele instante suspenso em Berlim era repleto de contexto. Ali a História fazia a diferença. A igreja bombardeada, marca de um país arrasado na Segunda Guerra, que se reerguia e se reunificava depois da queda do Muro. Os jovens, a contestação, a mudança. Aquela cena era Berlim, cidade onde os livros e o futuro se encontram.


Na viagem de 2014, recebemos como cortesia do VisitBerlin (órgão de promoção turística do destino) WelcomeCards e passagem para ônibus hop on hop off

*Quando você reserva pelo Booking, um percentual do valor é repassado ao Como Viaja. Assim, você contribui para que a gente continue a escrever aqui. Conheça todos os parceiros do Como Viaja, que oferecem passagens, hotéis, guias e reservas de atrações

DEIXE SEU COMENTÁRIO