Museu da Imigração: São Paulo de italianos, japoneses e tantos outros

Imigrantes Italianos, japoneses e portugueses têm sua história vista no Museu da Imigração em São Paulo. Veja tudo sobre a visita. Com bom acervo digital e muita interatividade, o espaço no bairro do Brás ajuda a entender a maior cidade do Brasil

Um museu que explica São Paulo, sua gente e sua gênese. E que também revela traços da formação do Brasil miscigenado do qual descendemos e fazemos parte. Na divisa entre os tradicionais bairros do Brás e da Mooca, o Museu da Imigração, antes conhecido como Memorial do Imigrante, carrega um pouco da origem de cada um de nós, na forma de fotografias, objetos e histórias, em um rico acervo digital.

Funciona no antigo prédio da Hospedaria de Imigrantes, primeira parada dos 2,5 milhões de estrangeiros e de outros brasileiros que chegaram a São Paulo entre 1887 e 1978. Foi onde muitos imigrantes italianos, portugueses e japoneses, entre outros, receberam sua certidão de desembarque no país. O museu do Estado de São Paulo mostra um vasto registro da imigração no Brasil.

Fotos: Nathalia Molina @ComoViaja
Fotos: Nathalia Molina @ComoViaja

De ascendência ibérica, Nathalia Molina conheceu o lugar em 1999, no tempo em que ele era chamado de Memorial do Imigrante. Da primeira visita, a carioca que tinha migrado para São Paulo 1 ano antes lembra que a exposição era bem simples, quase um daqueles trabalhos que os estudantes fazem para a escola. Mesmo assim ela gostou da visita porque se interessa por imigração no Brasil e no mundo de um modo geral. Na ocasião, ela também aproveitou para pesquisar no arquivo local (que ainda não era um acervo digital) a lista de imigrantes portugueses ou espanhóis que fossem seus parentes, vindos no início do século 20.

Nathalia ficou impressionada quando esteve lá pela segunda vez, já como Museu da Imigração. Atualmente, há 3 terminais de consulta para buscar o registro de imigrantes no Brasil. Os computadores ficam numa das salas laterais do prédio do museu. Dá para visitar na saída, assim como a plataforma da estação onde os viajantes desembarcavam na chegada à hospedaria.

consulta-sobre-familia-que-veio-para-o-brasil-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Como é o Museu da Imigração

A estrutura atual em nada lembra o que Nathalia havia conhecido 17 anos antes. O espaço foi todo reformulado, o que o deixou como um dos melhores museus de São Paulo. O prédio e o jardim da entrada estão conservados, mas a principal transformação ocorreu lá dentro. A exposição está super bem montada, tanto pela disposição e pela explicação em cada área quanto pela interatividade, com bons recursos audiovisuais.

Desde 2011, o Museu da Imigração tem sua gestão sob a responsabilidade do Instituto de Preservação e Difusão da História do Café e da Imigração (Inci), que venceu a chamada pública organizada pela Secretaria de Estado da Cultura.

Bem, voltemos à visita.

Ao passar da bilheteria, você sai à esquerda em um grande jardim. A propósito, guarde um tempo para se sentar em um dos bancos e ficar só de bobeira olhando para o pátio da entrada, que possui 2 figueiras com mais de 50 anos. Visitamos o museu em um sábado de sol. Além de ter sido gostoso descansar debaixo da sombra das árvores, fizemos lindas fotos do prédio em contraste com o céu azul.

frente-do-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

sao-paulo-arvores-no-jardim-do-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

casarao-da-hospedaria-dos-imigrantes-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Siga em direção ao edifício principal e suba às escadas que contornam o chafariz. A acesso fica no corredor central, à esquerda. A exposição ocupa o 2ª andar. O conteúdo escrito nos painéis e nos folders está disponível em 3 línguas (português, inglês e espanhol), fato raro em se tratando de museus brasileiros. E não estamos falando de informações triviais, mas de grandes explicações mesmo — só vimos algo parecido em nossa visita ao moderno Museu do Amanhã, no Rio.

museu-de-sao-paulo-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja museu-em-ingles-espanhol-e-portugues-sao-paulo-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja

O que ver durante a visita

De cara, nos deparamos com uma caçamba de caminhão tombada com cerca de 20 mil tijolos, obra do artista plástico Nuno Ramos. Intitulada É Isto um Homem, é inspirada em livro homônimo e fala do processo de imigração a partir da ótica do trabalho e da diferença de línguas — cada tijolo carrega palavras em inglês, francês, tcheco, alemão, húngaro e iídiche, todas utilizadas em um trecho do livro.

sao-paulo-museu-da-imigracao-comeco-da-exposicao-foto-nathalia-molina-comoviaja

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-migrar-comeco-da-exposicao-foto-nathalia-molina-comoviaja

À esquerda da escada tem início a exposição permanente. No total, o Museu da Imigração tem 8 módulos, numerados, indicados para serem vistos na ordem proposta. Eles abordam do movimento migratório no mundo desde os primórdios até chegar, efetivamente, à formação da cidade de São Paulo.

sao-paulo-museu-da-imigracao-exposicao-permanente-foto-nathalia-molina-comoviaja


DIÁSPORAS

A 1ª sala fala do homem como ser migratório por natureza, a partir de sua origem na África, a consequente expansão para a Europa e, daí, para outros cantos do planeta. Uma projeção e um painel luminoso mostravam como se deu esse processo que se confunde com a própria história da humanidade. Inicialmente, o equipamento estava com problema, a projeção havia travado. Procurei por um monitor do museu para falar a respeito. Super atencioso, ele pediu desculpa e disse que teria de reiniciar o programa, solicitando para que voltássemos dentro de alguns minutos. Seguimos o pedido dele e retornamos para ver o vídeo mais tarde. Na sala escura, o grande painel iluminado mostrando a movimentação do homem primitivo pelos continentes instigou o Joaquim.

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-diasporas-foto-nathalia-molina-comoviaja

sao-paulo-com-crianca-museu-da-imigracao-migracao-no-mundo-foto-nathalia-molina-comoviaja


IMIGRAÇÃO NO BRASIL

Sala com monitores de vídeo e fones de ouvido para acompanhar uma breve aula sobre os ciclos de imigração para o Brasil. Aqui fala-se das contribuições (expressões da língua, usos e costumes) dadas por povos que desembarcaram em nosso país desde a chegada dos portugueses, os primeiros imigrantes.

imigracao-no-brasil-museu-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-historia-do-brasil-foto-nathalia-molina-comoviajaQuando criança, eu gostava desse tipo de apresentação, até hoje acho que se assimila mais e melhor datas e nomes dessa forma do que quando se lê linhas e mais linhas (e olha que eu adoro ler). Joaquim se sentou e ouviu atentamente as explicações. Parece que ele também gosta de teleaula, porque já havia parado para ver algo semelhante durante nossa visita ao Museu da República, no Palácio do Catete, no Rio.

crianca-no-museu-sao-paulo-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja


AS HOSPEDARIAS E O CONTEXTO DAS MIGRAÇÕES

Antes de tomar um navio em busca de uma vida nova, era preciso se deslocar por terra até um porto, numa jornada tão ou mais complicada quanto a própria travessia. Nesse processo, havia também hospedarias que abrigavam os que estavam de saída. Esse espaço do museu espaço fala de 5 locais de chegada e de partida de imigrantes pelo mundo: Ellis Island (EUA), Bremen (Alemanha), Gênova (Itália), Buenos Aires (Argentina) e Kobe (Japão). Um painel mostra que, de 1820 a 1914, cerca de 50 milhões de pessoas migraram para o continente americano, para países como EUA, Canadá, Argentina e Brasil.

porto-de-imigrantes-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Nos impressionou ver as fotos de crianças e de mulheres à espera de um navio que os levasse para longe de cidades devastadas pela guerra. Não há como ver cenas como essas e não lembrar das imagens dos milhões de refugiados que buscaram alcançar a Europa nos últimos tempos.

miseria-na-europa-mostrada-no-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

instalacao-com-a-expressao-italiana-terra-nostra-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja-1024x1024-900x900

A instalação As Viagens reproduz o convés de um navio, igual ao de tantos que por aqui aportaram. Vemos a vida de imigrantes japoneses, italianos e libaneses passar em fotos de época. Nas paredes de madeira, inscrições em italiano como as que continham os documentos e as passagens de muitos imigrantes. Uma delas informa: 3ª classe, categoria inferior onde a maioria deles viajava.

imigrante-viagem-de-terceira-classe-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

viagens-sao-paulo-museu-da-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja


HOSPEDARIA DO BRÁS

Assim que um navio chegava ao porto de Santos, boa parte dos imigrantes era levada de trem diretamente para a hospedaria que funciona no Brás, já que São Paulo possuía uma malha ferroviária rumo ao interior, destino final de muitos estrangeiros.

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-hospedaria-foto-nathalia-molina-comoviaja

Essa é uma das salas mais legais, porque contém inúmeros objetos de época utilizados nas hospedarias ou que pertenciam aos próprios imigrantes. Joaquim ficou assustado com o tamanho das ampolas e das agulhas de injeção com que eram dadas vacinas nos viajantes.

objetos-antigos-no-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Nathalia mostrou para o nosso filho o ferramental e a cadeira de dentista iguaizinhos aos que o avó dela, o velho Molinão, mantinha em seu consultório. Nessa mesma parte do museu havia uma cômoda cheia de gavetinhas que também fez a Nath se lembrar da infância — que diabos o avô dela guardava em espaços tão minúsculos como aqueles?

cadeira-de-dentista-antiga-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Mais adiante, encontramos uma parede formada por gavetas. Dentro delas há cartas trocadas entre imigrantes e parentes que ficaram em seus países de origem. Eram conhecidas como Cartas de Chamadas, documentos que facilitavam a entrada de novos imigrantes, cujos os familiares já haviam se estabelecido por aqui. Experimente abrir uma gaveta para ler. É tocante.

Eu tenho uma dessas que pertencia ao meu avô, António Victorino. Foi redigida em nome da irmã, Mariana, que assim como ele não sabia escrever. A carta falava em dificuldades financeiras e pedia autorização para que ela pudesse entrar no Brasil. Mariana foi atendida, e viveu até a morte em São Vicente, no litoral paulista.

sonho-de-fazer-a-america-imigracao-museu-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Pelo Brás não passaram apenas viajantes estrangeiros. A hospedaria teve papel importante no processo de migração interna, ocorrido no Brasil em função de ciclos econômicos — a instituição paulistana abrigou muitos trabalhadores fugindo da seca no sertão nordestino, por exemplo. Além de documentos históricos, mesas que simbolizam o refeitório da hospedaria são compostas por telas onde são projetadas imagens que alimentam a lembrança do cotidiano destes migrantes.

sao-paulo-museu-da-imigracao-cartas-de-imigrantes-foto-nathalia-molina-comoviaja

A maior sala de toda a exposição tem ainda uma reprodução dos dormitórios, com beliches posicionados lado a lado, e nichos onde são exibidos depoimentos de imigrantes que contam como era o processo de passagem pela hospedaria, misto de acolhimento e de incerteza.

Ao redor, estantes guardam objetos preciosos, como canecas de metal trazidas de um navio holandês bem como um acordeão de origem italiana — o museu destaca a música como importante instrumento de conexão entre os imigrantes com seus países de origem, além da descontração promovida por ela dentro da hospedaria.

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-instrumento-italiano-foto-nathalia-molina-comoviaja exposicao-do-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-camas-da-hospedaria-foto-nathalia-molina-comoviaja


CAMPO E CIDADE

Filme de 7 minutos que narra como se deu a formação de São Paulo pelo trabalho, responsável por atrair mão de obra para as lavouras de café, especialmente depois do fim da escravidão (do lado de fora há inclusive uma velha máquina de moer grãos).

campo-e-cidade-no-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

cafe-em-sao-paulo-maquina-no-museu-da-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja

Já no teto desta sala há uma Carta de Chamada. Um imigrante escreveu ao irmão detalhando cuidados a serem tomados na travessia de Portugal para o Brasil. Lê-se num dos trechos: “Vinde prevenidos com limões e açúcar para poderem beber melhor a água.”

sao-paulo-antigamente-em-filme-do-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja


SÃO PAULO COSMOPOLITA

Uma sala grandiosa como a metrópole. Duas paredes exibem imagens com ícones da maior cidade do Brasil, enquanto informações com números superlativos correm acima delas. Tudo ao mesmo tempo, bem ao ritmo de São Paulo. A cidade com não mais do que 24 mil habitantes até 1870 hoje guarda o mundo. A expansão econômica trouxe o crescimento desordenado que sabemos. Mas trouxe também profundas influências de seus novos moradores. É um falar, um comer, um rezar, cada qual a seu modo. Todos compartilhando e vivendo diferentes possibilidades em uma só cidade.

museu-da-imigracao-sao-paulo-cosmopolita-foto-nathalia-molina-comoviaja sao-paulo-cosmopolita-museu-da-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja museu-da-imigracao-em-sao-paulo-habitantes-da-cidade-fotos-antigas-foto-nathalia-molina-comoviaja

Joaquim ficou de olho nas fotos da São Paulo de antigamente, a cidade que abraçou os bisavós ítalo-lusitanos e a mãe, nascida no Rio. Quem gosta de ver imagens em preto e branco do tempo da garoa, saiba que essa aqui é a sala.

sao-paulo-crianca-no-museu-da-imigracao-fotos-antigas-foto-nathalia-molina-comoviaja


BOM RETIRO, MOOCA, SANTO AMARO E BRÁS

Em uma de suas últimas salas, o Museu da Imigração registra traços marcantes de 4 bairros de São Paulo. Nascido na Mooca, muito do que está exposto me soa sempre familiar: a paróquia de São Rafael, onde meus pais se casaram e fui batizado, a tradicional Festa de San Gennaro e o estádio da Rua Javari, do hoje cult Juventus, clube de futebol fundado na mesma data em que eu nasci, um 20 de abril, e que teve meu avó como um dos primeiros sócios e jogadores de basquete (bola ao cesto, como ele gostava de dizer). Foi mais ou menos dessa maneira que expliquei o valor afetivo dessa sala para o meu filho, ao som de Samba do Arnesto, clássico do samba paulista cantado em um dialeto consagrado por Adoniran Barbosa.

sao-paulo-mooca-bras-bom-retiro-e-santo-amaro-museu-da-imigracao-foto-nathalia-molina-comoviaja museu-da-imigracao-mooca-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Mas a Mooca não foi só formada pelos italianos, que também dividiram território com os judeus do Bom Retiro, onde hoje os coreanos também figuram aos montes bem como lá pelos lados do Brás, morada de tantos bolivianos e haitianos. E o que dizer de Santo Amaro, quase uma cidade dentro da própria cidade, de ligações estreitas com a cultura alemã, celebrada até hoje em eventos como a Brooklin Fest (leia sobre esta festa)?

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-mooca-bras-bom-retiro-e-santo-amaro-foto-nathalia-molina-comoviaja


IMIGRAÇÃO HOJE

Quem são os novos imigrantes? De onde chegam? Por que escolheram São Paulo? As respostas estão em depoimentos gravados por gente que vem da América Latina, da África e do extremo Oriente. Para assistir, é preciso deslizar os rostos fragmentados até juntar as partes correspondentes e o vídeo começar — adivinhe se o Joaquim, o rei do touch, não curtiu ver depoimentos e mais depoimentos?

imigracao-em-sao-paulo-museu-em-sao-paulo-rostos-foto-nathalia-molina-comoviaja sao-paulo-museu-da-imigracao-depoimento-de-imigrantes-foto-nathalia-molina-comoviaja museu-da-imigracao-em-sao-paulo-rostos-de-imigrantes-foto-nathalia-molina-comoviaja

A qualquer momento da exposição, percorra o corredor formado por uma parede toda composta por sobrenomes de imigrantes italianos, portugueses e de outras nacionalidades, entalhados em madeira. É uma busca meio insana, a vista embaralha, achamos a família daquele amigo, do vizinho, da menina da 4ª série que sentava ao nosso lado. Nathalia, Joaquim e eu gastamos um bom tempo em busca dos Molina e dos Victorino. É preciso dizer que não achamos.

museu-da-imigracao-em-sao-paulo-sobrenomes-nas-parede-foto-nathalia-molina-comoviaja

museu-em-sao-paulo-imigracao-nome-de-familia-foto-nathalia-molina-comoviaja

VALE SABER

Endereço: Rua Visconde de Parnaíba, 1.316, Mooca, São Paulo

Transporte: A estação Bresser-Mooca do metrô (linha vermelha) fica a 1.500 metros de distância. Infelizmente, não aconselhamos andar pela Rua Visconde de Parnaíba, que margeia toda a linha do trem, mesmo durante a semana quando há mais movimento na rua. Pegue um táxi na porta da estação, mais barato e seguro. Se for de carro como nós, estacione em frente ao museu, que fica no trecho sem saída da rua

Funcionamento: De terça a sábado, das 9 às 17 horas (domingo abre 1 hora mais tarde)

Preço: R$ 10 — crianças até 5 anos, grátis; estudantes e idosos acima de 60 anos, R$ 5. Aos sábados, a entrada é gratuita para todos. Têm isenção de ingresso sempre crianças até 5 anos, professores da rede pública, taxistas, servidores estaduais, portadores de necessidades especiais

ingresso-do-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

Alimentação: Desde 2014, a cafeteria que funciona no museu é uma filial do Museu do Café, de Santos. Possui uma área com 4 mesas e uma varanda de frente para o jardim. Cogitamos comer um sanduíche, mas fomos avisados pelo atendente que havia um menu do dia, apesar de não constar no cardápio. Naquele sábado as opções eram escondidinho de carne seca, ravióli de muçarela de búfala e risoto com ragu.

cafe-no-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja museu-da-imigracao-em-sao-paulo-escondidinho-de-carne-seca-da-cafeteria-foto-nathalia-molina-comoviaja

Éramos 4 pessoas e resolvemos fazer um rodízio dos pratos à disposição. Saiu mais em conta dividirmos as sugestões do que se tivéssemos pedido um sanduíche para cada. Ponto negativo: a comida não é preparada no local, apenas finalizada… no forno de micro-ondas. Ponto negativo 2: havia 3 funcionários para realizar todo o trabalho (tirar pedido, cobrar, limpar e servir mesas internas e externas, preparar a comida e lavar a louça) Resultado: pedidos de bebida trocados, gente tendo que ir ao balcão se servir do brigadeiro que eles vendem em bandejas e longa espera pelos pedidos em momentos de pico

Compras: A lojinha que funciona no térreo vende kits infantis com quebra-cabeça, ioiô e livro. Há ainda malas vintage, guarda-chuva e as tradicionais camisetas e canecas com o logotipo do museu

produtos-vintage-na-loja-do-museu-da-imigracao-em-sao-paulo-foto-nathalia-molina-comoviaja

 

Site: museudaimigracao.org.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO