Desvendando o Splendour num minicruzeiro

Para embarcar no verão, leia tudo sobre a próxima temporada de cruzeiros no Brasil.

Splendour, Royal Caribbean, Piscina - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)

Texto e fotos de Nathalia Molina

Eu trabalhava no caderno de Turismo do Jornal da Tarde, em São Paulo, quando o Splendour of the Seas estreou no Brasil. Em 2001, ele foi a grande sensação da temporada de verão. De lá para lá, o navio da Royal Caribbean já voltou ao Brasil diversas temporadas. Navios maiores e mais novos apareceram no nosso litoral, mas o Splendour segue fazendo sucesso com o público.

Essa equação me intrigava. O que o Splendour tem de tão bacana assim? Fui descobrir num minicruzeiro, que fiz a convite da Royal Caribbean. O roteiro, de fim de semana, tinha apenas uma parada em Búzios, no litoral norte do Rio de Janeiro. Já estive na cidade algumas vezes desde criança e é sempre bom voltar a Búzios, é claro. Mas o que empolgava era mesmo conhecer o navio.

Splendour, Royal Caribbean - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (6)A viagem começou na região da Avenida Paulista, onde peguei o traslado com o grupo rumo a Santos, no litoral paulista. De cara, já tive o prazer de conhecer duas blogueiras à frente de blogs que eu acompanho: a Guta Cunha, do Vambora, e a Rapha Aretakis, do Rapha no Mundo. Chegamos a Santos e, após etiquetar as malas, seguimos para um embarque rápido. Pela primeira vez entrei num navio em Santos apenas atravessando a rua na saída do terminal. Nada de ônibus para chegar até o Splendour. Ele estava ali, bem na nossa frente.

Splendour, Royal Caribbean - Nathalia Molina www.comoviaja.com.brA Royal nos instalou no deck 2, o mais baixo entre os andares de passageiros, onde estão cabines internas e externas. Me surpreendi com o tamanho da cabine externa. Achei bem bom. Pensar em 4 pessoas acomodadas ali (com as camas que descem do teto) é meio aflitivo, parece meio demais. Mas, para 2 pessoas, é um ótimo espaço.

A cabine externa tem banheiro (com secador de cabelo), cama, sofá de 2 lugares, espelho de corpo inteiro, bancada com espelho para maquiagem e um armário enxuto perto da porta de entrada. Não há frigobar. Água e refrigerante ficam sobre a bancada. Para pedir gelo, aciona-se o camareiro.

A qualidade do serviço no Splendour of the Seas se destacou desde a entrada no navio. A cordialidade e a disponibilidade dos funcionários se mantiveram durante todo o cruzeiro. Nem o mau humor do garçom no café da manhã do último dia abalou minha boa impressão – apenas cheguei à conclusão que na manhã do desembarque talvez seja melhor comer no Windjammer Café, no deck 9, com sistema de bufê.

Splendour, Royal Caribbean, Café da Manhã - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (3)Nos outros dias tomamos nosso café da manhã lá e gostei muito da variedade e da apresentação do bufê. Como já escrevi aqui, sou uma pessoa de café da manhã e valorizo a primeira refeição do dia. No Splendour, fiquei bem satisfeita. Havia diversos tipos de pães, ovos mexidos, caixinhas de diferentes tipos de cereais, frios, geleias, folheados doces… Um bufê bem completo.

Splendour, Royal Caribbean, Café da Manhã - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (2)

RESTAURANTES

O bom nível da comida no Splendour, aliás, chamou minha atenção. Jantamos 2 vezes no King & I Dining Room, o restaurante incluído no pacote do cruzeiro. As mesas ocupam 2 andares, se dividem entre os decks 4 e 5.

Splendour, Royal Caribbean, Restaurante King & I - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (5)Com entrada, prato principal e sobremesa, o menu do King & I é variado e oferece também opções vegetarianas. O cardápio mistura sofisticação à simplicidade, indo de entradas como escargot a sobremesas de sabor aconchegante. Foi o caso do suflê doce servido na 2ª noite a bordo. Quando chega à mesa, ele é furado pelo garçom para receber o creme de confeiteiro. Tem sabor de mingauzinho bom, feito pela mãe.

Splendour, Royal Caribbean - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br

Splendour, Royal Caribbean, Restaurante King & I, Sobremesa - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)

Nos restaurantes de especialidades, onde é preciso pagar, me deliciei com sushi no Izumi e carne no Chops Grille. Os 2 restaurantes dividem o deck 11 com o Viking Crown Lounge, que vira discoteca à noite. O Izumi e o Chops Grille estão entre as novidades do Splendour, após a repaginada em novembro de 2011. Ou seja, desde a temporada passada, os brasileiros já aproveitam as mudanças no transatlântico da Royal.

ESTRUTURA

Com um domingo inteiro em alto-mar, consegui explorar bem a estrutura do Splendour. As cabines se concentram nos decks 2, 3, 6, 7 e 8. Não dá para se perder porque o navio é pequeno – são 264 metros de comprimento, em relação aos navios que estão por aqui nesta temporada, com medidas entre 207Splendour, Royal Caribbean, Painel - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1) e 333,3 metros. Mas, se ficar em dúvida sobre onde está e para onde quer ir, o Splendour conta com painéis interativos perto dos elevadores. Quem faz cruzeiro fica sabendo das atividades diárias do navio no jornalzinho que é entregue na cabine – no caso da Royal, ele é chamado de Cruise Compass. Mas, com as telas touchscreen, não foi preciso decorar nada da programação. Usei umas vezes, mão na roda.

Splendour, Royal Caribbean, Drinque com Champanhe - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)As áreas sociais do Splendour ficam nos decks 4, 5 e 9, essencialmente. Após o anoitecer, minha atividade geralmente se dividia entre os decks 4 e 5. Após jantar no King & I, assisti a bons shows no teatro 42nd Street e tomei drinques no Champagne Terrace. Na linha ‘para adoçar a vida’, caiu bem o Flirtini, com champanhe, suco de abacaxi e de pêssego e uma cereja de toque final.

Splendour, Royal Caribbean, Paella no Deck da Piscina - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)

Splendour, Royal Caribbean, Parede de Escalada - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)Durante o dia, caminhei mais na parte alta do navio. O deck da piscina é o 9, onde vi ser preparada uma apetitosa paella. Ao lado fica o Solarium, com uma bonita piscina coberta e lanches e doces no Park Café. Depois está o acesso ao spa, onde o uso da sauna é gratuito, uma raridade nos navios pelo litoral brasileiro. Nas 2 pontas do deck 9, dá para matar a sede em estações com gelo, água e refrigerantes. Um lance de escada acima, vi a criançada se divertindo na parede de escalada e no campo de minigolfe. O visual do mar sendo vencido é lindo lá do alto.

Splendour, Royal Caribbean, Popa - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)

Mas gostei mesmo foi de assistir ao pôr-do-sol na outra ponta, na proa. Em todo cruzeiro que faço é a mesma coisa. O navio pode ter muitas opções de entretenimento, mas o ponto onde encontro a razão de navegar é no simples contemplar do mar. Ficar ali, vendo o limite entre o mar e o céu se perder. Onde começa um azul e onde termina o outro? Desde o primeiro navio em que viajei, sinto da mesma forma. Dá uma gostosa sensação de plenitude.

Depois desse minicruzeiro de 3 noites, o mistério do Splendour estava desvendado. Com estrutura bacana, serviço eficiente e boa gastronomia, o navio é sob medida para uma viagem em família.

Splendour, Royal Caribbean - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (8)Splendour, Royal Caribbean, Mar e Céu - Nathalia Molina www.comoviaja.com.br (1)

Viajei a convite da Royal Caribbean

6 Comments

  1. gostaria de saber como e a viagem que vai ate barcelona,

    • Andrea, obrigada pela visita! Não sei te dizer como é a viagem até Barcerlona de navio pois nunca fui para lá desse modo.

      O mais indicado é você entrar em contato com empresas que vendam essa travessia para se informar. Volte sempre!

  2. Anna Paula

    Ola… Me disseram que o deck 2 é barulhento… ë vdd??? Vc acha melhor o deck 2 ou o 3? Bjs

    • Oi, Anna Paula,

      Será que dei sorte? Porque não achei baraulhento. Não sei te dizer se faz muita diferença do deque 2 para o 3. Pelo que vi na planta no site da Royal, no deque 3, fica a área de conferência e, no andar acima, estão o cassino e o teatro.

      Navio no Brasil tem sempre um movimento maior do que em cruzeiros pela Europa, por exemplo. O povo é mais festeiro por aqui. Mas, nos cruzeiros que fiz, independentemente da companhia, o barulho foi maior nos deques mais altos, logo abaixo da área da piscina, onde costumam fazer festas.

      Obrigada pela visita e volte sempre!

      Nathalia

  3. Foi muito legal poder conhecer o Splendour com a Rapha e vc Nathalia! E entre tantas opções de lazer, concordo com vc quando diz que um dos pontos altos de qualquer cruzeiro é a simplicidade de contemplar o mar. Lindo demais! 🙂
    bjus

    • Guta querida, que delícia teu comentário. Me fez lembrar do fim de semana gostoso que passamos juntas, nós três. Beijo, volte sempre que puder!

DEIXE SEU COMENTÁRIO